Início Contato Resenhas Parceiros

18 dezembro 2013

#Reencontros - 6. Essa coisa de fazer o mundo acreditar



Essa coisa de fazer o mundo acreditar


As mãos suadas, o coração batendo insistentemente forte dentro do peito. Emma sentia-se uma adolescente sentada à mesa com a família.

Enquanto todos riam e conversavam, ela tentava acalmar os próprios nervos, brigando consigo mesma por se deixar afetar daquela forma.

Maurício não dava sinais que os dois tinham brigado. O rapaz se portava da forma mais simpática possível perante a família da namorada. Ela gostou ainda mais dele por isso.

O senhor Antônio era só elogios para o novo genro, considerando que Maurício era o único cara que Emma já tinha levado em casa.

_ Que foi titia? _ A pequena Dani perguntou quando viu a cara de brisa de tia na mesa de jantar.
_ Ah... Oi, querida. _ Emma se tocou que estava com cara de quem estava em outro planeta. _ Quer que eu corte a carne para você?
Dani fez que sim com a cabeça. Emma amava a sobrinha. Apesar da distância, o irmão mais velho, Rodrigo, sempre dava um jeito de colocar a filha para falar com a irmã pelo skype.
A senhora e o tio Maurício brigaram? _ A menina cochichou para a tia. _ Tão pequena e já tão esperta. _ Essa menina tem futuro.
Emma não respondeu, mas piscou para a criança que lhe deu um sorriso cúmplice como resposta.
Maurício dirigia alguns olhares sorrateiros para ela, mas continuava a conversar com Rodrigo e o pai de Emma.



Aquele jantar parecia eterno, Emma não via a hora de poder correr para o quarto e ficar sozinha.
Quando enfim o jantar terminou, ela ajudou a mãe a retirar a mesa, junto com a cunhada, como o sempre, o machismo dominando na família Soares.
Os três foram para a sala acompanhados de Dani. _ Pode deixar titia, se eles falarem da senhora, eu te conto tudo. _ A pequena deu um beijo na bochecha da tia e correu atrás do pai, saltitante.
Emma sempre ficava tensa quando ficava a sós com a mãe, a presença da cunhada não fazia muito diferença ali, Camila era a pessoa mais inexpressiva que Emma conhecia, nunca foram amigas e pouco se falavam.


Emma tinha outra cunhada em mente.
Uma certa paulista dona de um sorriso e coração imenso,
Mas isso é uma outra história.


A maior parte do tempo elas permaneceram concentradas na tarefa, mas Emma sabia que a mãe não ficaria em silêncio para sempre.
_ Então minha filha... Quando vai contar pro seu pai que você está morando com seu namorado? _ A mãe perguntou direta.
_ Oi? _ Uma pequena interrogação se estampou no rosto de Emma. _ Como ela sabia?
_ Seu pai merece saber. _ A mãe disse quando Emma não respondeu. Emma não se preocupou em perguntar como a mãe sabia aquilo. Ela tinha uma boa ideia de onde ela tinha conseguido a informação.Terminou a tarefa o mais depressa que pode e se retirou para o quarto.


Um detalhe sobre a mãe de Emma.
Ela tinha olhos e ouvidos em todos os lugares,
Era difícil algo lhe passar despercebido.


A nobre arte de estar com os olhos abertos sem enxergar um palmo a sua frente. Disso, Emma entendia muito bem.
Perdeu a conta de quanto tempo passou fitando o teto do quarto enquanto estava deitada na cama remoendo aquele dia infeliz.
Uma batida suave a tirou de seus devaneios. Abriu a porta e deu de cara com o irmão.

Rodrigo estava sorrindo, com ar inocente. _ Eu vou matar você. _ Emma o puxou pela gola da camisa para dentro do quarto.
_ Ei! _ Ele se soltou. _ O que eu fiz dessa vez?
_ O de sempre. _ Emma respondeu irritada. _ Meteu o bedelho onde não era chamado.
Ele fez cara de quem não estava entendendo, mas Emma viu aquele sorrisinho nervoso no canto dos lábios dele quando sabia que tinha feito besteira. Cruzou os braços e esperou por sua confissão._ Podemos fazer isso do jeito fácil ou do jeito difícil._ Pressionou..
_ A Emma... Você sabe como ela é, simplesmente não tive como esconder.
_ Não acredito que contou para a mamãe que eu estou morando com o Maurício. Depois você reclama quando não quero que me visite.
_ Mas foi uma visita muito agradável. _ Ele disse inocente.
_ É. Aí você volta e conta tudo para a mamãe! _ Emma empurrou o ombro dele.
_ Uma hora você ia ter mesmo que contar. Eu não tive escolha, sabe como ela pode ser... persuasiva quando quer alguma coisa.
_ Rodrigo... _ Emma disse em tom de aviso e ele soube que estava em maus lençóis.

_ Papai! _ Dani entrou gritando no quarto da tia.
_ Salvo por uma criança. _ Emma o olhou mais uma vez com os olhos franzidos.
_ A Camila quer ir embora. _ Dani disse abraçando a tia. _ Eu posso ficar com a titia hoje?
_ Hoje não querida, amanhã você tem natação cedo. _ O pai respondeu. _ Bom, é melhor irmos, sua madrasta não gosta de esperar. _ Espertamente tratou de correr para fora das vistas irritadas da irmã.
_ Ela é uma chata, isso sim. _ Dani deu um beijo de boa noite na tia e seguiu o pai deixando Emma e sua perturbada cabaça sozinha.

***

Todo mundo espera alguma coisa de um sábado à noite, Emma esperava poder falar com a melhor amiga.
Deixou uma mensagem inbox para Sofia e não demorou muito para a amiga responder. Não foi difícil para a amiga sacar o que estava acontecendo.


A MENSAGEM
Aconteceu de novo
A RESPOSTA
Acho bom você conectar o skype AGORA!


Deitada de barriga para baixo e abraçada ao travesseiro, Emma conseguiu uma conexão para falar com a amiga.

_ Se você me disser que ficou com aquele infeliz de novo... Eu juro que pego o primeiro avião para ir aí te dar uns tapas, Emma! _ Sofia lhe disse.
Emma riu da amiga, adorava aquele jeito espontâneo dela. _ Eu não fiquei com ele, mas pode vir para cá se quiser. Só duvido que você virá de avião.
_ De ônibus faz o mesmo efeito. _ Sofia disse brincando, ela morria de medo de avião. Desde que Emma saiu do Rio de Janeiro e foi morar no sul, as duas só se viam quando Emma a visitava em São Paulo. _ Me conta logo o que aconteceu.
Emma resumiu a história enquanto Sofia franzia a testa e espremia os olhos diante de seu relato.

_ Eu preciso mesmo dizer alguma coisa? _
_ Seria bom?
_ Eu te avisei que isso ia acontecer, para que você foi se meter a ir nessa festa, Emma?
_ A Sofia, eu... Nem sei. _ Disse desanimada.
_ Esse cara nunca foi bom para você. Se deixar ele estragar seu relacionamento com o Maurício por causa dele, juro que te dou uns tapas. _ Sofia disse gesticulando as mãos. _ Para de rir que eu estou falando sério!
_ Eu sei amiga, eu juro que não fiquei com ele, mas você sabe que fico mexida sempre que ele está por perto. Só achei que depois de todo esse tempo eu já teria superado. Entende?
_ Se você o vir novamente, pode me imaginar com as mãos levantadas atrás dele gritando com você. Duvido que você vai ter vontade de beijar aquele sapo depois disso.  _ As duas riram.
_ Não vou mais vê-lo, mas o problema é que agora o Maurício quer saber de tudo.
_ Então se abre com ele.
_ Como se fosse muito fácil. _ Resmungou Emma.
_ Emma Soares. Se você não desligar esse computador agora e for atrás daquele homem maravilhoso, corre um sério risco de perdê-lo. É isso que você quer?
_ Sabe que não quero isso, mas...
_ Mas nada. _ Sofia desconectou só para no segundo seguinte conectar novamente.

_ Pensei que ia me deixar falando sozinha. _ Emma se fingiu de chateada.
_ Não é comigo que você tem que conversar agora, e você sabe bem disso.
_ E o que você sugere que eu faça?
_ Pode começar falando pra ele como você se sente, contando as coisas pelas quais você passou.
_  Nem sei se consigo olhar para ele. _ A bem da verdade, Emma se sentia culpada.
_ Falando nisso. Onde ele está?
_ Acha mesmo que meu pai ia nos deixar dormir no mesmo quarto? Ele o colocou no antigo quarto do Rodrigo. _ Emma viu algo mudar no olhar de Sofia quando mencionou o irmão.
_ Se tivesse contado que já mora com ele, isso não teria acontecido.
Ela suspirou, no fundo sabia que a amiga tinha razão. _ Emma, a maioria dos seus problemas giram em torno da sua falta de jeito para falar com as pessoas, ou melhor, para não falar. Para de ficar guardando tudo para si.
_ Mas eu não guardo tudo, eu conto para você.
_ Amiga, nunca me importei em te ouvir, mas você precisa se expressar com quem está a sua volta. Acho que deve isso ao Maurício.
_ Eu sei. _ Disse desanimada.
_ Vou desconectar agora, dessa vez é sério, mas pode me mandar um whatsapp depois se precisar de alguma coisa, ta?
_ Tudo bem. Obrigada por me ouvir de novo.
_ Sempre, amore.
_ Amo tu. Se cuida..
_ Também. Boa noite.

Depois de desconectar, Emma achou que um banho a ajudaria a clarear as ideias e pensar em como ter aquela conversa com Maurício. Ela só se esqueceu de um detalhe.


Ela tinha ideias demais quando tomava banho...


<< Capítulo anterior                                                                                   Próximo  Capítulo   >> 

Comente com o Facebook:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Seguir por e-mail

© Letras da Nana - 2014. Todos os direitos reservados.
Criado por: Mariana Teixeira.
Tecnologia do Blogger.